© Nuno Perestrelo

Recrutamento de Adultos

O recrutamento constitui o modo de captação de Candidatos a Dirigente no Corpo Nacional de Escutas, o qual culmina com a respetiva Promessa de Dirigente.

O Perfil do Adulto no Escutismo, acima descrito, constitui o referencial de base, em articulação com as normas regulamentares e no respeito pelos estatutos, no recrutamento de Candidatos a Dirigente no Corpo Nacional de Escutas.

Recrutamento Interno e recrutamento Externo
O recrutamento de Candidatos a Dirigente pode ocorrer entre indivíduos com ou sem percurso escutista anterior.
Considera-se recrutamento interno o recrutamento de Caminheiros/Companheiros, do Corpo Nacional de Escutas, que tenham recebido a Partida, ou atingido a idade máxima definida para a permanência no Clã/Comunidade, passando a designar-se Noviço a Dirigente.
Considera-se recrutamento externo o recrutamento de todos os demais indivíduos, independentemente de terem tido ou não percurso escutista anterior, passando a designar-se Aspirante a Dirigente.

Discernimento e seleção
O processo de recrutamento visa o discernimento vocacional do Candidato face à missão do Adulto no Escutismo e a seleção dos Candidatos pela Associação.

Recrutamento e Desenvolvimento Pessoal
O processo de recrutamento deve ser perspetivado também como um fator de desenvolvimento pessoal do Candidato.
Fases do recrutamento de Dirigentes

O recrutamento pressupõe as seguintes fases:

  • Captação;
  • Convite;
  • Encontro Inicial;
  • Apresentação;
  • Integração;
  • Percurso Inicial de Formação;
  • Promessa de Dirigente.

Captação
Procura ou apelo à apresentação de potenciais Candidatos.
Esta fase, sem prejuízo do acolhimento de candidaturas espontâneas ou extemporâneas, deverá merecer, por parte dos Agrupamentos, uma avaliação prévia das necessidades de adultos, no curto e médio prazo, bem como uma consequente política ativa de dotação do Agrupamento dos Dirigentes necessários e suficientes à prossecução da sua missão educativa.

Convite
Apelo pessoal e concreto à participação no momento de Discernimento, com vista a um possível ingresso no Corpo Nacional de Escutas como Candidato a Dirigente no Escutismo.
Este convite é protagonizado pelo Chefe de Agrupamento, o qual deve previamente procurar averiguar do cumprimento pelo visado, naquilo que for aferível nesta fase, do Perfil do Candidato a Dirigente no Corpo Nacional de Escutas, com o conhecimento e anuência do Assistente e da Direção de Agrupamento.
Este convite deve ser claro e clarificador quanto à identidade e missão do Corpo Nacional de Escutas e ao papel do Dirigente enquanto educador católico no Escutismo.

Encontro Inicial
O Encontro Inicial constitui um momento prévio e propedêutico ao Percurso Inicial de Formação, e – portanto – ao início de funções na Equipa de Animação de uma Unidade, sendo de frequência prévia obrigatória.
Este encontro, de organização a nível regional, tem como finalidades apresentar o que é ser Dirigente no Escutismo e propiciar um mais consciente discernimento pessoal.

Apresentação
Ato de apresentação pública do novo Candidato a Dirigente, perante o Agrupamento ou a comunidade eclesial, segundo conveniência local, realizado, por princípio, no início do ano escutista, após frequência do Encontro Inicial e antes do início do exercício de funções numa Unidade.
Neste ato o Candidato a Dirigente, compromete-se a realizar o Percurso Inicial de Formação, a integrar a Equipa de Animação de uma Unidade e a cumprir a Lei do Escuta.
Este compromisso não exige um ritual próprio, mas é expresso pela anuência do próprio perante os termos da apresentação que protagoniza e que o Chefe de Agrupamento no ato de apresentação deve enumerar.

Integração
Consiste no acolhimento do Candidato a Dirigente como elemento da Equipa de Animação de uma Unidade, onde deve permanecer até à sua Promessa de Dirigente. Os Candidatos a Dirigente com menos de 24 anos, só muito excecionalmente podem ser integrados na Equipa de Animação do Clã/ Comunidade.

Percurso Inicial de Formação
O Percurso Inicial de Formação constitui a formação básica e necessária à investidura como Dirigente do Corpo Nacional de Escutas.
Este percurso está desenhado para ser vivido, normalmente, num período até dois anos (máximo, três anos) escutistas sucessivos, sendo, de um modo geral, um de Discernimento e outro de Estágio. A passagem do Discernimento para o Estágio requere a anuência prévia do Chefe de Agrupamento e do Assistente de Agrupamento.

Promessa de Dirigente
Compromisso solene e definitivo do Candidato a Dirigente, que assim se torna Dirigente, a ser realizado perante a comunidade eclesial, onde está inserido o seu Agrupamento. A decisão do compromisso é pessoal e voluntária, considerando-se verificados todos os requisitos inerentes ao Perfil do Dirigente do Corpo Nacional de Escutas, carecendo de ser validada pela Direção de Agrupamento, colher o parecer positivo do Chefe de Agrupamento, do Assistente de Agrupamento e de obter a aprovação da respetiva Junta Regional.

Linhas Orientadoras
As Linhas Orientadoras do recrutamento são desenvolvidas em documento autónomo.

Ultima atualização 28.11.2016 Visualizações 1519
Voltar Partilhar