© Nuno Perestrelo

Maravilhas do Método

Como disse Baden-Powell “O jogo é o primeiro grande educador” e “para o rapaz, o jogo é a coisa mais importante da vida”. É de facto através do jogo que o método escutista se materializa. Este método assenta em sete características essenciais de que não podemos abdicar e que consideramos maravilhosas, por constituírem a base do Método Escutista: são as “Sete Maravilhas do Método Escutista”.

  1. Lei e Promessa
    2. Mística e Símbologia
    3. Vida na Natureza
    4. Aprender Fazendo
    5. Sistema de Patrulhas
    6. Sistema de Progresso
    7. Relação Educativa

    O que torna este método mais refinado é que para termos Escutismo, temos que trabalhar estes 7 elementos todos ao mesmo tempo, tornando-os verdadeiras maravilhas.

    Como diz B-P em “O Rasto do Fundador”:

    “O Escutismo é um remédio composto de vários ingredientes e, a não ser que estes estejam misturados nas devidas proporções, de acordo com a receita, aqueles que o aplicam não podem culpar o médico por o remédio não ter efeitos satisfatórios no doente.”

Logo, dependendo de quem pretendemos educar de uma forma individual (o Pioneiro/Marinheiro), temos que fazer misturas diferentes das 7 maravilhas, usá-las em tempos diferentes, esperar envolvimentos e resultados diferentes.


 

 

O Compromisso constitui, juntamente com o lenço e a Lei (valores), o elemento comum a todos os escuteiros do mundo.

A adesão a valores comuns é um elo facilitador da união e da compreensão entre povos, culturas e religiões distintas.

 

O imaginário constitui uma forma de vivência da Comunidade numa atividade, projeto ou empreendimento. Diz respeito a um ambiente envolvente, uma história ou um mundo imaginado, que têm uma linguagem própria, heróis, símbolos, valores e mensagens com os quais o Pioneiro se confronta ao longo da atividade.

“O Escutismo joga fortemente com símbolos e serve-se da simbologia como um elemento fundamental ao serviço do seu Método. “

As atividades ao ar livre proporcionam oportunidades de crescimento inquestionáveis. B.-P., no seu estilo visionário, indicava ainda que era pelo contacto com a Natureza que os escuteiros descobriam a importância de a respeitar e a preservar.

Por um lado, o pensamento de B.-P. reflete, de uma maneira muito simples e direta, a preocupações ambientais que caracterizam os tempos atuais, mantendo a essência da mensagem – a de preservar os meios em que temos o privilégio de viver. Por outro lado, impele o escuteiro a tomar consciência de que faz parte de uma obra maior e que, ao vivê-la, tem também a possibilidade de ir ao encontro de Deus e de si próprio, através da contemplação, da reflexão e da superação que a experiência da Natureza proporciona de formas sublimes.

 

O Escutismo, através do aprender fazendo, encoraja os jovens a participarem ativamente na sua própria educação. Esta participação, que se quer prática, deve ser estimulada desde o início, envolvendo os escuteiros na preparação, realização e avaliação das diversas atividades a que se propõem, constituindo-se como uma oportunidade de aprendizagem ímpar.

 

Assenta na divisão em pequenos grupos – Equipas/Equipagens - dentro dos quais os seus elementos assumem cargos, estabelecem relações e são chamados a assumir diversas tarefas para a promoção do bem-comum. Pretende-se que as decisões sejam discutidas e tomadas de uma forma democrática. Esta forma de trabalhar permite que a Unidade seja constantemente desafiada, estabelecendo prazos e objetivos, formas de os atingir e de os avaliar. Cada Unidade tem o seu próprio ritmo, a sua história, as suas tradições e ambições.

O Progresso Pessoal tem como objetivo levar a que cada Escuteiro se desenvolva por si, melhorando os seus aspetos menos positivos e fortalecendo as suas capacidades.

O Escutismo pretende mesmo construir uma relação de confiança entre dirigente e cada um dos elementos em que se espera ajuda, preparação, apoio, encorajamento, aconselhamento e educação. O dirigente, para além de todas as componentes técnicas (que deverá ter!), da formação adquirida (dentro e fora do CNE), tem que estar sempre presente, planear (ou ajudar a planear) cuidadosamente as atividades, fundamentar e aprofundar sempre a relação de confiança entre todos.

Ultima atualização 29.11.2016 Visualizações 11224
Voltar Partilhar