© Gonçalo Vieira

Scouts of the World

O projeto Scouts of the World Award é uma oportunidade para todos os caminheiros de todo o país. Trata-se de um projeto desenvolvido à escala mundial e que também está presente no CNE.

O programa “Scouts of the World” (SWA) surgiu no âmbito dos Objectivos do Milénio (ODM). Sendo o escutismo um movimento global, qual será o impacto no alcance dos ODM se cada escuteiro der o seu (pequeno) contributo?

Nesse sentido, este programa promove a realização de acções de serviço em três áreas: Ambiente, Desenvolvimento e Paz. Estas acções de serviço promovem a cooperação mundial de todos os escuteiros, e visam o alcance de um mundo melhor: “Scouts… Creating a better world”!

Desde 2008 que o CNE atribuiu 8 insignias SWA (6 na Reg. de Coimbra: Agrup. 382 Cantanhede e 2 na Reg. do Porto: Agrup. 10 Cedofeita) e mais estão a caminho. A concretização de um projeto de serviço que deverá ser continuado no tempo, e que some no total, pelo menos, 15 dias de voluntariado, é exigente e requer muito comprometimento.

Dos 8 caminheiros a quem já foi atribuída a insígnia SWA, destacamos alguns testemunhos, que demonstram o impacto que o Serviço tem na formação dos nossos jovens:

“Estas tardes e manhãs passadas no lar ou no hospital com o Sr. Mário e com o Sr. António, com a D. Cila, a D. Fernanda, a D. Rosário, com o Sr. Edgar com a minha avó, ao abrigo deste projeto, não sairão da minha memória. E no final do projeto posso dizer que cresci como escuteira nos objetivos educativos propostos, como pessoa e cidadã. Sinto-me mais responsável pelas minhas ações, mas mais do que nunca, pelas minhas “não ações”, porque quando estamos indiferentes aos problemas que nos rodeiam, estamos a deixar de fazer o bem que deveria ser feito. E pior que não fazer mal é não fazer o que está ao nosso alcance para tornar o mundo um pouco melhor.” Ana Rita Gil Oliveira

“devo dizer que durante os dois anos que trabalhamos neste projeto, o ano passado foi o ano de voluntariado e este ano foi o ano europeu do envelhecimento ativo e da solidariedade entre gerações, e que como pessoa, como escuteiro e como caminheiro cresci bastante, foi e é uma experiência espetacular aquilo que fazemos, e as coisas que vemos, com que nos deparamos, acho que vale a pena, irei sempre propor a caminheiros para que façam algo deste género, porque SWA não é só modo de servir, mas sim também de crescer.” Rafael Carvalho Simões

“Algumas, acamadas, quando nos viam os seus olhos pediam um carinho, afecto atenção no início sentia-me colado ao chão, incapaz de fazer o fosse, com o tempo fui capaz de dizer: “Força!”. Dar um abraço, um beijo, um aperto de mão aos doentes. Fui aos poucos aprendendo a lidar com a situação e gerindo também aquilo que vivi, vi e senti. O contacto com os doentes fez-me ver uma realidade da vida que até ali não tinha vivido de perto.” Ricardo Daniel da Costa Pereira

“Este projecto teve um impacto muito maior do que aquilo que eu esperava. Também eu me superei. Antes da realização deste projecto, nunca imaginaria ir ao Domingo de manhã ao Lar, contudo foi algo que surgiu naturalmente e o mais incrível é que não foi aborrecimento nenhum. Este facto causou admiração perante os idosos que me questionaram porque motivo estava ali e se estava mesmo a gostar de os visitar. “ Tatiana Oliveira Peralta

 

Ultima atualização 13.12.2016 Visualizações 5672
Voltar Partilhar