© Cláudio Noy

Lei e Promessa

A Lei e a Promessa constituem o ideário fundacional e fundamental do Escutismo, agregando e apresentando os valores por este preconizados em toda a fraternidade mundial.

Lei


“O 1º artigo da Lei é aquele de que depende todo o futuro procedimento e disciplina do Escuteiro. Espera-se que o Escuteiro seja reto. A confiança deve ser a base de toda a nossa formação moral”. B.P., Rasto do Fundador, 98-99
“O Chefe pergunta então: «Sabes o que é a tua honra?». O Aspirante: - «Sei sim; quer dizer que se pode confiar que sou verdadeiro e honesto»”. B-P, Escutismo para Rapazes (Palestra de Bivaque nº3)

“Ser leal para com Deus significa nunca te esqueceres d’Ele e recordá-l’O em tudo o que fazes. Se nunca O esqueceres, nunca farás nada de mal. E se te lembrares d’Ele quando estiveres a fazer qualquer coisa errada, deixarás logo de a fazer”. B-P, Rasto do Fundador, 57
“A lealdade era característica que acima de tudo distinguia os cavaleiros. Estes eram sempre dedicadamente leais ao rei e à sua Pátria.” B-P, Escutismo para Rapazes (Palestra de Bivaque nº21)

“O rapaz tem um instinto natural para o bem, contanto que veja um modo prático de o realizar, e a prática da Boa Ação vai ao encontro desse instinto e desenvolve-o, e desenvolvendo-o desperta o espírito da caridade cristã para com o próximo”. B.P., Rasto do Fundador, 33
“Como Caminheiro, o teu objetivo supremo é SERVIR. Sempre se pode confiar em que estarás pronto a sacrificar tempo, comodidades ou, sendo preciso, a própria vida, pelos outros.” B-P, A Caminho do Triunfo

“Se todos os homens tivessem desenvolvido em si mesmos o sentido da fraternidade, o hábito de pensar em primeiro lugar nas necessidades dos outros e de subordinarem a elas as suas ambições, prazeres ou interesses pessoais, teríamos um mundo muito melhor onde viver. “Um sonho utópico”, diriam alguns, “mas não passa de um sonho, por isso nem vale a pena tentar”. Mas se, ao sonharmos, nunca estendêssemos as mãos para agarrar a substâncias dos nossos sonhos, jamais conseguiríamos progredir”. B-P, Rasto do Fundador, 91
“Os escuteiros de todo o mundo são embaixadores da amizade, que se dedicam a criar amigos e a abater barreiras erguidas pela cor, credo e classe social.” B-P, Escutismo para Rapazes (Palestra de Bivaque nº26)
“O interesse próprio é a primeira meta de nove décimos das pessoas. A promoção do interesse próprio significa, em última instância, a guerra: o império do demónio no mundo. A sua antítese, o amor e o serviço altruísta, exprimiriam o reino de Deus no mundo”. B-P, Rasto do Fundador, 73
“Se desprezardes os outros rapazes, porque têm uma casa mais pobre do que a vossa, não passais de presunçosos. Se odiardes os outros rapazes, porque nasceram mais ricos do que vós, sois loucos. Cada um de nós precisa de aceitar a sorte que lhe tocou no mundo e aproveitá-la o melhor possível e colaborar com os que o cercam.” B-P, Escutismo para Rapazes (Palestra de Bivaque nº26)

“Não é só no que se refere às capacidades materiais que a vida no meio do mato faz um homem ser homem, mas sobretudo o seu desenvolvimento espiritual – quando ele se apercebe de que não passa de uma pequena partícula em comunhão diária com a natureza, cara a cara com ela e pulsando no seu coração”. B-P, Rasto do Fundador, 124
“O estudo da Natureza mostrar-vos-á as coisas maravilhosas de que Deus encheu o mundo para vosso deleite.” B-P, Última Mensagem

“As nossas regras são regras, não normas-regulamentares. Isto é, são como as regras do futebol ou do críquete, necessárias para que estes jogos possam ser jogados com lealdade para todos.
Pretende-se que ajudem a estabelecer linhas de orientação, e não que sejam sinais de proibição.
Toda a disciplina que há no Movimento tem origem na liberdade, no desejo que cada um tem de «jogar o jogo», para bem da sua «equipa»”. B-P, Rasto do Fundador, 62-63
“Os Escuteiros desta [Patrulha] cumprem as suas ordens [do Guia], não com receio de castigo (…), mas porque constituem um todo que joga em conjunto e que apoia o seu Guia para honra e êxito da Patrulha.” B-P, Escutismo para Rapazes (Palestra de Bivaque nº4)

“Acredito que Deus nos colocou neste mundo encantador para sermos felizes e apreciarmos a vida. O verdadeiro caminho para alcançar a felicidade é contribuir para a felicidade dos outros”. B-P, Rasto do Fundador, 89
“Quando se trabalha de bom humor, o trabalho transforma-se em prazer, e esta alegre disposição torna também alegre os outros, o que constitui um dos deveres do Escuteiro.” B-P, Escutismo para Rapazes (Palestra de Bivaque nº21)

“Não podes permitir-te gastar dinheiro nos teus luxos enquanto, houver à tua volta pessoas que não têm o indispensável à vida”. B-P, Rasto do Fundador, 61
“A orientação quase exclusiva para o consumismo dos bens materiais retira à vida humana o seu sentido mais profundo.” Papa João Paulo II – Homilia do XV centenário do nascimento de São Bento e Santa Escolástica, 23 de março de 1980

“O rapaz tem de compreender que o seu dever para com Deus está em guardar e desenvolver, como depósito sagrado, aqueles talentos de que Deus o dotou para a sua passagem por esta vida: o corpo, com a sua saúde, o seu vigor e a sua faculdade de reprodução, para serem empregues ao serviço de Deus; a mente, com o seu raciocínio, a memória e o discernimento admirável que a colocam acima do mundo animal; e a alma, essa parcela de Deus que traz dentro de si – ou seja, o amor, que se pode desenvolver e fortalecer por contínua expressão e prática”. expressão contínuas. B-P, Rasto do Fundador, 55
“Felizes os puros de coração, porque verão a Deus.” Mt 5, 8

 

Princípios


“O primeiro Princípio do Escuta elege como ideal o compromisso com Deus, fonte de felicidade.
Esta dimensão espiritual está presente no Movimento Escutista desde o início. Com a adesão a princípios espirituais, pretende-se que o Escuteiro assuma a sua fidelidade à Religião que professa, numa aceitação dos deveres que daí decorrem, vivendo a alegria de integrar a Igreja de Jesus Cristo.” Manual do Dirigente, 57

“Este Princípio proclama a responsabilidade para com os outros. Essa responsabilidade deve ir no sentido da promoção da Paz, da compreensão e cooperação entre todos e na participação ativa e empenhada no desenvolvimento da comunidade.” Manual do Dirigente, 58

“Neste princípio, vemos espelhados o ideal de cuidar de si, assim como dos que lhe são próximos e parte integrante da sua vida, como a família. Esta é a célula fundamental da sociedade. De facto, é em grande parte no seio da família que o indivíduo forma a sua personalidade e apreende valores, descobrindo a importância da dignidade, da confiança, do diálogo, da cooperação, do bom uso da liberdade, da obediência.  No entanto, para que esta aprendizagem seja profícua é necessário que exista disponibilidade para estar com os outros e partilhar sentimentos e ações.” Manual do Dirigente, 58

 

Promessa 

Prometo, pela minha honra e com a graça de Deus, fazer todo o possível por:

  • Cumprir os meus deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria;
  • Auxiliar o meu semelhante em todas as circunstâncias;
  • Obedecer à Lei do Escuta.

"Sempre Alerta"

Ultima atualização 24.11.2016 Visualizações 13622
Voltar Partilhar